Vacinação contra covid-19

Locais de vacinação

Drive-thru

Documentos necessários para a segunda dose

– Documento de identidade, número do CPF e, se possível, a caderneta de vacinação.

– É fundamental levar também o comprovante de vacinação da primeira dose.

Grupos prioritários:

Pessoas com comorbidades (lista PNI), inclusive gestantes e puérperas com comorbidades e pessoas com deficiência permanente.

Gestantes e puérperas, com e sem comorbidades, por orientação do Ministério da Saúde, receberão apenas as vacinas Pfizer e CoronaVac, de acordo com a disponibilidade. Devem apresentar laudo médico detalhado justificando a recomendação e avaliação da relação risco-benefício para a vacinação, além da assinatura do termo de esclarecimento.

Lactantes: Podem se vacinar, independentemente da idade do bebê. Para serem vacinadas, é necessário que apresentem indicação do profissional de saúde que faz o acompanhamento da criança.

ACOMPANHE AS DATAS NAS REDES SOCIAIS: 

Instagram | Facebook | Twitter

CONFIRA ABAIXO A DESCRIÇÃO DE CADA GRUPO E QUE DOCUMENTOS LEVAR.

Devem apresentar cartão de pré-natal, além da assinatura do termo de esclarecimento.

Gestantes que receberam a primeira dose da vacina AstraZeneca estão autorizadas a completar seu esquema vacinal com a segunda dose da vacina da Pfizer, 12 semanas após a primeira dose. É necessário apresentar comprovante da primeira dose, laudo de avaliação dos riscos e benefícios emitido por seu médico e assinatura do termo de esclarecimento disponível aqui.

Apresentar atestado/laudo médico descritivo da doença ou atestado médico indicando a necessidade da vacina por conta da condição de saúde elegível. Os atestados descritos devem conter QR Code para validação de autenticidade, conforme modelo do CREMERJ (https://www.cremerj.org.br/servicomedico/documentomedico/validar), ou serem originais com assinatura do médico, sem prejuízo da confirmação no momento da aplicação da vacina.

Na ausência do atestado médico, serão aceitos:

I – Receita de uso continuado contendo a prescrição de medicamento(s) contra doenças que estejam contempladas como comorbidades, desde que emitida nos últimos 6 meses, com validade igual ou superior a 3 meses. 

II – laudo de exame diagnóstico que comprove a patologia contemplada como comorbidade (Decreto Rio no 48.762, de 16 de abril de 2021).

 

O calendário de vacinação do grupo de comorbidades já foi concluído. Acompanhe o calendário por idade ou os dias destinados à repescagem.

Deficiência física, auditiva, intelectual; psicossocial (mental), visual, múltipla (associação de duas ou mais deficiências), transtorno do espectro autista. CLIQUE AQUI E ENTENDA. 

Pessoas com deficiência psicossocial são aquelas que, apesar do tratamento e medicação otimizados, mantêm uma condição de sofrimento de longo prazo que as incapacita a terem uma participação plena e efetiva na sociedade, em igualdade de condições com as demais pessoas. O conceito de deficiência psicossocial é definido pela Organização Mundial de Saúde e reconhecido na Lei Brasileira de Inclusão (LBI 13.146/15). As condições clínicas são variadas e o paciente, para ser vacinado, deve apresentar laudo médico que explicite a deficiência psicossocial.

A comprovação poderá ser feita por meio de qualquer laudo da rede pública ou particular que indique a deficiência; cartões de gratuidade no transporte público; documentos comprobatórios de atendimento em centros de reabilitação ou unidades especializadas no atendimento de pessoas com deficiência; documento oficial de identidade com a indicação da deficiência; ou qualquer outro documento que indique se tratar de uma pessoa com deficiência.

A Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência criou pranchas de Comunicação Alternativa que podem ser utilizadas para o apoio ao atendimento de pessoas que não se comunicam por meio da língua portuguesa e/ou sejam não-verbais.

Caso haja a necessidade ou o desejo do paciente que usa Libras de se comunicar, será possível contar com o suporte da Central Carioca de Intérprete de Libras por meio de vídeo-chamada via WhatsApp e/ou Skype pelo número (21) 98909-1373.

CLIQUE AQUI E CONFIRA A DESCRIÇÃO DAS DEFICIÊNCIAS 

Para serem vacinados, os trabalhadores devem apresentar um contracheque ou declaração das instituições educacionais ou redes de ensino público ou privado da cidade do Rio.

São os que trabalham em estabelecimentos de assistência, vigilância à saúde, regulação e gestão à saúde, ou seja, que atuam em estabelecimentos de serviços de saúde, a exemplo de hospitais, clínicas, ambulatórios, unidades de Atenção Primária à Saúde, laboratórios, farmácias, drogarias e outros locais. Dentre eles, estão os profissionais de saúde, já contemplados em calendário específico, os trabalhadores de apoio, como seguranças, trabalhadores da limpeza, cozinheiros e auxiliares, motoristas de ambulâncias, gestores e outros.

Inclui-se, ainda, aqueles profissionais que atuam em cuidados domiciliares (ex.: programas ou serviços de atendimento domiciliar, cuidadores de idosos, doulas/parteiras), funcionários do sistema funerário, Instituto Médico Legal (IML) e Serviço de Verificação de Óbito (SVO) que tenham contato com cadáveres potencialmente contaminados, além de acadêmicos em saúde e estudantes da área técnica em saúde em estágio hospitalar, atenção primária, clínicas e laboratórios, trabalhadores que atuam nos estabelecimentos de serviços de interesse à saúde das instituições de longa permanência para idosos (ILPI), casas de apoio e cemitérios.

Devem estar na ativa e apresentar os três últimos contracheques comprovando vínculo com a profissão e local de trabalho, ou declaração assinada do estabelecimento em que atuam, que ficará retida na unidade de saúde. Cuidadores de idosos devem apresentar carteira de trabalho ou contrato de serviço informando empregado doméstico, desde que apresente outro documento que comprove a função, como certificado do curso de cuidador de idosos.

Podem se vacinar, independentemente da idade do bebê. Para serem vacinadas, é necessário que apresentem indicação do profissional de saúde que faz o acompanhamento da criança.

Caso tenha alguma queixa clínica após a vacinação, vá ao local onde se vacinou para ser avaliado

Como será feita a vacinação em domicílio

– O responsável ou acompanhante deve procurar a unidade de saúde de referência e solicitar o agendamento.

– Para solicitar o agendamento, acesse: https://coronavirus.rio/vacinacaoemdomicilio/ 

– A visita para a vacinação será realizada em até 30 dias após a data da solicitação.

É necessário incluir:

– Nome completo;

– Data de nascimento;

– CPF;

– Endereço completo;

– Telefone de contato;

– Condição de saúde que justifica a vacinação em domicílio;

– Unidade de referência.